Fisk Johnson no oceano rodeado de lixo plástico

A maré está mudando na poluição plástica: uma carta do Presidente do conselho e CEO da SC Johnson

“A maré está mudando na poluição dos plásticos, e a SC Johnson está trabalhando com empenho para ser parte da solução.” – Fisk Johnson
“Se é que existe alguma vantagem para essa crise, é que a crise global da poluição plástica chamou a atenção do mundo todo.” – Fisk Johnson
Hoje em dia, é impossível ligar a TV ou ler as notícias sem ver imagens terríveis do plástico nos oceanos.

Graças às redes sociais, o que antes era uma ameaça abstrata ganhou vida com a representação dramática em alta definição: animais marinhos com os estômagos cheios de plástico, rios transbordando com lixo e montes de sujeira nos mares.

A realidade é exatamente tão terrível quanto as imagens sugerem. Especialistas estimam que 8 milhões de toneladas métricas de plástico acabem nos oceanos por ano; isso equivale a um caminhão basculante por minuto. Na verdade, ao que se consta, mais de 30 por cento do lixo plástico sai de sistemas de coleta e acaba no meio ambiente.

O mundo em desenvolvimento não tem a infraestrutura necessária para lidar com o descarte e a reciclagem de plástico. Mesmo quando existe infraestrutura, como na América do Norte, o índice de reciclagem de plástico é desanimador, chegando a menos de 10 por cento.

Se é que existe alguma vantagem para essa crise, é que a crise global da poluição plástica chamou a atenção do mundo todo. E com relação a isso chegamos a um ponto crítico: os governos estão fazendo planos para tomar ações, os consumidores estão prometendo mudar de comportamento e as empresas, como a SC Johnson, estão se movendo para ajudar.

Elaboramos este relatório de sustentabilidade para compartilhar nosso progresso. Esperamos que ele ajude a mostrar que é possível fazer avanços e sirva para incentivar mais organizações a nos acompanhar nessa iniciativa.
Se é que existe alguma vantagem para essa crise, é que a crise global da poluição plástica chamou a atenção do mundo todo. E com essa atenção, nos deparamos com um ponto decisivo…
Fisk Johnson, Presidente do conselho e CEO
Depois de mais de uma década trabalhando para melhorar a sustentabilidade das nossas embalagens plásticas, em 2018 adotamos medidas para acelerar ainda mais nossos avanços.

Já tivemos grandes resultados, com mais de 94 por cento das embalagens plásticas da SC Johnson sendo recicláveis, reutilizáveis ou compostáveis. Além disso, há anos usamos plástico reciclado pós-consumo (PCR) em nossos recipientes.

Agora, estamos expandindo refis concentrados, triplicando nosso uso de plástico PCR, usando recipientes feitos de plástico retirado dos oceanos e buscando alcançar 100 por cento das embalagens de plástico reciclável, reutilizável ou compostável até 2025.

É claro que isso não será fácil. O aumento do PCR nas embalagens pode afetar sua cor, tornando-as menos atrativas nas lojas. Mas estamos encarando isso como um “emblema de honra”, de que estamos fazendo a coisa certa e vamos seguir com isso de qualquer maneira.

Do mesmo modo, estamos vendendo refis concentrados há quase uma década, mas descobrimos que os clientes simplesmente não estavam prontos para fazer a mudança para o refil. Esperamos que com o aumento da conscientização da poluição plástica, as pessoas adotem essa opção mais ecológica.
Esse é um problema complexo que não tem uma solução única. É preciso que a indústria, o governo, as ONGs e as pessoas trabalhem em conjunto.

É por isso que gastamos muito tempo no último ano para estabelecer parcerias que possam nos ajudar a avançar em diversas partes do mundo.

Por exemplo, como muitos países não têm a infraestrutura necessária para gerenciar material, fizemos uma parceria com o Plastic Bank para criar centros de reciclagem, começando pela Indonésia. Essas medidas ajudam a impedir que o plástico vá parar nos oceanos e ainda levam oportunidades econômicas para as famílias.

Nos Estados Unidos, continuamos a defender a evolução da reciclagem residencial para incluir película plástica, como sacos de supermercado, embalagens de alimentos e sacos da marca Ziploc®. As equipes da SC Johnson se reuniram com inúmeros funcionários municipais, órgãos públicos e recicladores, e esperamos estar mais perto de lançar nosso primeiro piloto.
Como Parceira Global da Ellen MacArthur Foundation, estamos ajudando a promover iniciativas de economia circular em âmbito global. Isso começa com a assinatura do Novo Compromisso Global da Economia de Plásticos, que trabalha para abordar as causas raiz da poluição plástica.

Além disso, graças a uma parceria duradoura com a Conservação Internacional, pude visitar vários projetos do governo e de ONGs que estão fazendo um avanço real e mensurável na crise da poluição plástica.
Não existe uma solução fácil para nenhum desses desafios e precisamos de ações em todos os níveis. Mas há esperança.

No ano passado, me reuni com pessoas que trabalham em diversos países, como Indonésia, Panamá, Libéria e Filipinas. Eu vi o compromisso e cuidado com o problema, bem como a paixão que eles têm por buscar soluções.

Sei que falo por todos na SC Johnson quando digo que compartilhamos desses compromissos. A maré está mudando na poluição dos plásticos, e a SC Johnson está trabalhando com empenho para ser parte da solução.

Juntos, acredito que poderemos fazer avanços reais.

— H. Fisk Johnson, Presidente do conselho e CEO
VÍDEO
Plástico nos oceanos: Como os resíduos plásticos chegam aos mares?
 
VÍDEO
Plástico nos oceanos: Causa raiz
 

Relatório de sustentabilidadeFisk Johnson está lançando uma luz sobre a crise global do plástico

Relatório de sustentabilidadeUma parceria inovadora entre a SC Johnson e o Plastic Bank reduz o problema da poluição plástica e da pobreza

Relatório de sustentabilidadeSC Johnson defende a reutilização: uma grande redução no lixo plástico

Relatório de sustentabilidadeSC Johnson e Ellen MacArthur Foundation: uma parceria global pioneira

Relatório de sustentabilidadeA SC Johnson está trabalhando para buscar soluções para a crise global do plástico

Relatório de sustentabilidadePromovendo a economia circular com materiais reciclados pós-consumo

Próximo

Próximo

Próximo