Quantidade de vestígios de microplásticos encontrados em rio no noroeste do Pacífico

A Ocean Wise estuda a presença de microplásticos no rio White Salmon de Washington

RACINE, Wisconsin, 22 de julho de 2019 – A SC Johnson anunciou hoje evidências de microplásticos em um curso de água protegido pelo governo federal dos Estados Unidos na região centro-sul de Washington, o que aumenta a preocupação de que até mesmo ambientes preservados são suscetíveis à crise de resíduos plásticos. Um estudo financiado pela SC Johnson conjuntamente com a Ocean Wise Conservation Association (Ocean Wise) identificou que o rio White Salmon contém pequenas quantidades de microplásticos, peças microscópicas de plástico que estão aparecendo em muitos cursos de água, desde a baía de Monterey até o fundo do oceano. 

“Sempre tive uma conexão muito forte com a natureza, e é por isso que me sinto decepcionado em saber que microplásticos, ainda que em pequenas quantidades, foram encontrados neste rio cristalino”, declarou Fisk Johnson, Presidente do conselho e CEO da SC Johnson, durante uma visita recente ao rio White Salmon. “O fato de microplásticos terem sido encontrados aqui ressalta a necessidade de todos nós fazermos o que estiver a nosso alcance para enfrentarmos esse grave problema.”

A Ocean Wise examinou mil litros de água próxima à superfície em um ponto do rio. Foram descobertos no total três microplásticos em um metro cúbico de um única amostra: uma película e dois fragmentos de polietileno. A pequena quantidade de microplásticos encontrada é semelhante à presente em oceanos remotos ou áreas costeiras não poluídas, ao passo que águas da superfície perto de áreas urbanizadas como a canadense Colúmbia Britânica podem contar até 3.200 microplásticos por metro cúbico, segundo a Ocean Wise.

“Microplásticos são encontrados por toda parte hoje em dia, o que destaca nossa contaminação negligente de cursos de água no mundo inteiro”, afirmou o Dr. Peter S. Ross, Vice-presidente de pesquisa da Ocean Wise. “Nosso desafio é traduzir essa ‘má notícia’ em ‘boa notícia’ ao proporcionar pesquisas significativas que identifiquem essas partículas de microplástico, nos permitam identificar sua fonte e possibilitem empreender mudanças direcionadas a soluções.”

Considerando o rio White Salmon e muitos rios semelhantes que se conectam ao rio Columbia, o maior curso de água da região com foz no Pacífico, essas descobertas indicam uma das várias formas como partículas plásticas chegam ao oceano, mas em um grau muito inferior ao que ocorre com os oito rios asiáticos e dois rios africanos que contribuem para a maior parte do problema1

Como uma empresa global voltada ao mercado de consumo que depende de materiais plásticos para embalar muitos de seus produtos, a SC Johnson está avaliando como resíduos plásticos nocivos prejudicam ecossistemas naturais e representam um risco para o mundo. A empresa realizou uma parceria com a Plastic Bank e a Ellen MacArthur Foundation para ajudar a reduzir o fluxo de materiais plásticos que terminam em nossos oceanos. Encontram-se entre as iniciativas para manter o meio ambiente limpo submeter componentes de produtos a estritos padrões de toxicidade aquática, estabelecidos pelo GreenlistTM, o rigoroso programa de seleção de componentes da empresa.

Pequenas peças plásticas de não mais que cinco milímetros de comprimento2 , os microplásticos geram cada vez mais preocupação entre cientistas que estão apenas começando a compreender sua abundância em nossos cursos de água e em todos os níveis da teia alimentar marinha3 . De fato, um estudo realizado pela Ocean Wise encontrou partículas como essas em pelo menos duas importantes espécies de zooplâncton no nordeste do oceano Pacífico4 . E como essas espécies se situam na base da cadeia alimentar, essa descoberta indica uma possível contaminação de predadores maiores. Além disso, uma nova pesquisa sugere que corais, animais vulneráveis que passam por um declínio em todo o mundo, também podem ser drasticamente afetados pela onipresença de microplásticos.

A Ocean Wise retira uma amostra do rio White Salmon para uma análise de microplásticos.

A SC Johnson já tomou medidas para conter o uso de plásticos e, consequentemente, sua contribuição para o problema. Além de se comprometer a utilizar produtos 100% recicláveis, reutilizáveis ou compostáveis até 2025, a SC Johnson anunciou recentemente uma parceria estratégica com a Plastic Bank, uma das principais organizações que trabalham para reduzir a crise global de plásticos nos oceanos. Conjuntamente, ambas as organizações abrirão nove centros de coleta de plástico em comunidades pobres na Indonésia, com planos de expansão.  

No início deste ano, a SC Johnson apresentou um novo frasco totalmente produzido com plástico retirado do oceano para seu Windex® Vinegar, o primeiro produto de limpeza doméstica tradicional a adotar essa solução. Disponível em estabelecimentos varejistas dos Estados Unidos como Target e Walmart, os frascos são feitos de plástico retirado de uma área de 50 km do oceano ou hidrovia em países sem infraestrutura de coleta de resíduo formal. Os frascos ajudaram a SC Johnson e os consumidores a fortalecerem os programas de reciclagem global e reduzirem os detritos potencialmente prejudiciais que chegam aos oceanos. 

Mas o problema da poluição por plásticos não pode ser resolvido por uma única empresa. É por isso que Johnson assinou o Novo compromisso global da economia de plásticos na Our Ocean Conference, realizada no ano passado em Bali, Indonésia, juntamente com a Dame Ellen MacArthur e uma coligação mundial de empresas e governos. A iniciativa representa um valor compartilhado entre os líderes mundiais para construir e fomentar uma economia circular para os materiais plásticos, criando um mercado para eles em cada estágio de seu ciclo de vida. Para concretizar esses valores, a SC Johnson e a Ellen MacArthur Foundation anunciaram em janeiro uma parceria global que abrange mais 17 organizações (entre elas, Intesa Sanpaolo, Danone, Google, H&M, Phillips, Renault, Solvay, Unilever e outras) para executar iniciativas de economia circular em escala e líderes no mercado. 
A SC Johnson é uma empresa familiar dedicada a produtos inovadores e de alta qualidade, à excelência no local de trabalho e ao compromisso de longo prazo com o meio ambiente e as comunidades onde atua. Com sede nos EUA, ela é uma das principais fabricantes mundiais de produtos de limpeza doméstica, armazenamento doméstico, purificadores de ar, controle de pragas e cuidados com calçados, além de produtos profissionais. A empresa comercializa marcas consagradas, como GLADE®, KIWI®, OFF!®, PLEDGE®, RAID®, SCRUBBING BUBBLES®, SHOUT®, WINDEX® e ZIPLOC® nos Estados Unidos e em outros países, e estão entre suas marcas comercializadas fora dos Estados Unidos AUTAN®, BAYGON®, BRISE®, KABIKILLER®, KLEAR®, MR MÚSCULO® e RIDSECT®. Com 132 anos de história, a empresa gera USD 10 bilhões em vendas, emprega aproximadamente 13 mil pessoas mundialmente e vende produtos em quase todos os países do planeta. www.scjohnson.com